E-mail/Senha incorreto. ×

ESQUECEU SUA SENHA?

Não se preocupe. Basta informar o e-mail que você usou para se cadastrar em nosso site.

Planalto pretende dar reajuste de 21% aos servidores federais

Por: Vanessa Cagliari
28/07/2015
Planalto pretende dar reajuste de 21% aos servidores federais 

O governo federal analisa uma proposta de reajuste de 21% para todos os servidores públicos, inclusive funcionários do Poder Judiciário. A proposta do Planalto ainda será discutida com Ricardo Lewandowski, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF).

 

A ideia é que o porcentual seja concedido em quatro parcelas, começando a ser pago a partir de 2016. Por enquanto, o aumento é a alternativa oferecida pelo governo aos servidores da Justiça. O presidente do STF determinou a retomada das negociações com o governo e defendeu que o reajuste seja "condizente com a realidade econômica do País".

 

Funcionários do Poder Judiciário estão em greve reivindicando aumento de salário entre 53% e 78,56% para a categoria. A reivindicação foi aprovada pelo Congresso, mas foi vetada pela presidente Dilma Rousseff que considerou o aumento "lamentável" e "insustentável". Com o objetivo de garantir o reajuste, o governo vai incluir a proposta na lei orçamentária para 2016, que será encaminhada ao Congresso no final do mês de agosto.


Nelson Barbosa, ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG), alegou que o governo "está sugerindo ao Judiciário cenários de reajuste que sejam compatíveis tanto com a preservação do poder de compra do
salário dos trabalhadores quanto com a realidade fiscal que estamos vivendo hoje".

 

Os servidores federais da base da Condsef (Confederação dos Trabalhadores do Serviço Público Federal) que representam 80% do Executivo Federal, deram início à uma greve geral no dia 27 de julho. Servidores do INSS, da Fiocruz, do Judiciário, professores e técnico-administrativos das universidades já iniciaram a paralisação. Hoje, sindicatos e o Ministério do Planejamento vão se reunir em Brasília e discutir novamente o acordo.

 

Com informações de O Estado de S. Paulo

 

Veja o que outras pessoas acham deste conteúdo. Comente você também.

Deseja mesmo encerrar esse chat?


Motivo:


Encerrar Cancelar